Instâncias mediadoras do relato de viagem imaginária a uma terra utópica:
o prefácio e o narrador-editor de La Terre Australe connue (1676), de Gabriel de Foigny

RESUMO: A descrição do país ideal e imaginário que caracteriza os textos pertencentes ao gênero utópico se dá graças a três instâncias mediadoras que ligam o mundo descrito pelo utopista ao mundo do leitor: o prefácio, os narradores – que são em geral dois: o narrador-editor do prefácio e o narrador-viajante do relato utópico – e a viagem. Trataremos neste artigo do prefácio e da figura do narrador-editor do prefácio de La Terre Australe connue, escrita por Gabriel de Foigny e publicada em 1676. Para compreender esses dois elementos é necessário tratar de três problemas literários de sua época aos quais estão estreitamente vinculados: a voga da literatura de viagem, a imbricação dos gêneros utopia e relato de viagem e a crise do gênero romanesco no último quarto do século XVII francês.

 

ABSTRACT: The ideal, imaginary land’s description that characterizes texts belonging to the utopian genre depends on three mediatory instances which connect the world described by the utopian writer to the world of the reader: the preface, the narrators – that are usually two: the narrator-editor of the preface and the narrator-traveller of the utopian narrative – and the voyage. In this article, we will deal with the preface and the figure of the narrator-editor of La Terre Australe connue’s preface, written by Gabriel de Foigny and published in 1676. To understand these two elements, it is necessary to consider three literary problems of the period to which they are closely linked: the vogue for travel accounts, the overlapping of the utopian genre and that of the travel literature, and the crisis of the fictional genre at the last quarter of 17th-Century France.

Palavras-chave: Utopia, viagem imaginária, relato de viagem, narrador, prefácio

 

Key words: Utopia, imaginary voyage, travel account, narrator, preface

Ana Cláudia Romano Ribeiro é doutoranda no Departamento de Teoria Literária do Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP e bolsista da FAPESP e da CAPES. Está traduzindo para o português La Terre Australe connue (1676), de Gabriel de Foigny, e preparando uma tese sobre essa obra sob a orientação do prof. Carlos E. O. Berriel. Sob a mesma orientação traduziu e estudou em seu mestrado A Ilha dos Hermafroditas (1605). Pertence ao Grupo de Estudos Renascimento e Utopia, ao Centro de Estudos Utópicos U-TOPOS e é co-editora da revista MORUS – Utopia e Renascimento. Tem publicado artigos sobre o tema das utopias francesas.

 

Ana Cláudia Romano Ribeiro is a student of the Doctoral Program of the Departament of Literary Studies of the Instituto de Estudos da Linguagem at the Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). At the moment, she prepares, under the advisory of professor Carlos Eduardo Ornelas Berriel and with the financial aid of FAPESP and CAPES, a translation to the Portuguese as well as a study of the French utopia La terre Australe Connue (1676), by Gabriel de Foigny. In her Master's dissertation, accomplished in the same institution and under the same advisory, she translated to the Portuguese and analysed L’isle des Hermaphrodites (1605). She belongs to the Grupo de Estudos Renascimento e Utopia, to the Centro de Estudos Utópicos U-TOPOS and is co-editor of Revista Morus – Utopia e Renascimento, and published several articles on French utopias.

Voltar | Back